Todos os 3 filmes de O Protetor classificados do pior ao melhor

Agamortis
Agamortis
filmes de O Protetor

Considerando que Denzel Washington raramente faz sequências, é natural se perguntar quantos filmes do Equalizer existem. A empolgante franquia de ação com classificação R consegue contar histórias diversas e se destacar em qualidade. Os três filmes foram sólidas contribuições ao gênero que aproveitaram muito bem o talento de Denzel Washington e seu colaborador frequente, o diretor Antoine Fuqua. Tornou-se uma trilogia um tanto inesperada, com a popularidade dos filmes nunca alcançando as alturas de outras franquias de Hollywood, mas sempre atraindo o público. No entanto, alguns dos filmes do Equalizer se mostraram mais bem-sucedidos do que outros.

A franquia O Protetor (Equalizer) acompanha o protagonista Washington, Robert McCall, que tenta deixar seu passado violento para trás, mas continua sendo arrastado para situações perigosas em sua busca incessante por justiça. Seja protegendo aqueles que não podem se proteger ou enfrentando as consequências de suas próprias ações, McCall está constantemente confrontado com situações terríveis que realmente dão à franquia a oportunidade de brilhar. Parece que The Equalizer 3 servirá como conclusão para a série, mas os detalhes sobre O Protetor 4 sugerem que a jornada de McCall pode não ter acabado ainda.

3 – O Protetor 2 (2018)

McCall busca vingança pelo assassinato de seu amigo

o protetor 2

Embora não seja um filme terrível, The Equalizer 2 é considerado o ponto mais baixo da franquia. Ele carece do ímpeto e da emoção do primeiro filme, parecendo um retrocesso em comparação. Talvez isso fosse inevitável após a excelência de The Equalizer, mas havia tantos caminhos que essa história poderia ter seguido, e parece que Fuqua não aproveitou nenhum desse potencial. A narrativa segue as tentativas de McCall de investigar o assassinato de seu amigo, finalmente encontrando o culpado e buscando vingança.

Em defesa de The Equalizer 2, o aspecto pessoal desse mistério faz um ótimo trabalho em aumentar as apostas emocionais e dar a McCall uma razão para se envolver – mas o ritmo lento é o que prejudica este projeto. A maior parte da história consiste apenas em uma investigação, com McCall perseguindo os vilões em seus próprios termos. Não há pressão ou limite de tempo que mantenha a história em movimento, o que acarreta em alguns problemas de ritmo prejudiciais. No entanto, há alguma diversão em ver Washington trabalhar ao lado de Pedro Pascal antes de se reunirem no elenco de Gladiador 2.

2 – O Protetor 3 (2023)

McCall protege uma pequena comunidade italiana da máfia

filme O Protetor (the equalizes)

Com “O Protetor 3“, Fuqua demonstra claramente ter aprendido sua lição e elevou as apostas mais uma vez para esta entrada repleta de ação na franquia. A trama acompanha McCall vários anos depois, em sua nova carreira, buscando justiça em nome dos oprimidos no sul da Itália. No entanto, ele logo descobre que seus novos amigos estão sob o controle da máfia, encontrando-se então envolvido em uma batalha mortal com os chefes do crime local.

O filme mantém o ritmo acelerado de “The Equalizer” e as apostas pessoais de “The Equalizer 2”, resultando em uma combinação poderosa dos dois projetos anteriores. Entretanto, infelizmente, “The Equalizer 3” sofre de uma história bastante superficial, lutando para justificar sua longa duração. Uma vez que McCall entra em confronto com a máfia italiana, a trama torna-se previsível e McCall nunca parece estar verdadeiramente em perigo.

Apesar de não apresentar novidades significativas para a franquia, é ainda prazeroso assistir McCall buscando justiça, enquanto Washington entrega seu melhor desempenho na série. Embora seja triste ver a trilogia chegar ao fim, o desfecho de “The Equalizer 3” proporciona a McCall um merecido final feliz.

1 – O Equalizador (2014)

McCall retorna à sua vida passada para ajudar pessoas vitimadas

o protetor

Por mais sólida que tenha sido a franquia O Protetor, ela nunca conseguiu superar a primeira entrada. Embora não seja um filme perfeito, The Equalizer entregou o que os fãs de ação estavam procurando. Lançado no mesmo ano do primeiro filme de John Wick, ajudou a demonstrar que filmes de ação podem atrair audiências fora do mundo dos super-heróis, especialmente quando há um desempenho tão forte dos protagonistas. Equalizer prospera em sua simplicidade: a história não tenta nenhuma das complexidades desnecessárias que surgiram nas sequências, mas coloca McCall contra seus inimigos e deixa a ação acontecer.

O Protetor ainda tem suas fraquezas – é longo, clichê e usa o mesmo truque repetidamente – mas apresenta ao público sequências de ação emocionantes que compensam as falhas. The Equalizer poderia ter permanecido como um filme independente e ainda ter sido uma entrada memorável no gênero de ação. No entanto, é o desempenho de Washington que eleva o filme e faz com que o público queira ver mais do personagem de Robert McCall.

Share This Article
Sair da versão mobile