8 FALSAS PREMISSAS QUE NÃO LEITORES DE HQs PENSAM!!!


Com o as sequências dos filmes tanto da DC quanto da Marvel, como também o constante investimento nos seriados baseados em HQs fazendo tanto sucesso pelo mundo afora, agora é oportunidade propícia para fazer um artigo como este, em que eu fui juntando percepções, tanto minhas como de outros, em torno destes últimos eventos e no que o futuro nos reserva, pois agenda é grande e espero estar muito vivo para desfrutar de todos os títulos.

marvel-e-dc-filmes-seis-anos-2

Minha inspiração inicial para compartilhar esta opinião veio dos tópicos de comentários sobre as várias notícias dos multiversos quadrinhescos que relatam a “controvérsia” em suas recentes edições: os reboots, novos formatos do enredo das HQs e, como também, as demais questões éticas e morais constantemente presentes. Para aqueles de vocês que precisam de maiores exemplos, lembro-me de um caso em especial e não tão distante assim de nosso cotidiano: uma edição comemorativa de Superman em Action Comics # 900. Para aqueles de vocês que perderam ou não estão familiarizados com a história, basicamente nessa edição histórica, Superman promete renunciar à sua cidadania dos EUA de modo que suas ações no exterior não deveriam ser interpretadas como ações exclusivas dos EUA e que no regime atual do mundo globalizado, ele deve servir e proteger, como cidadão do mundo.

De qualquer forma, muitas fontes conservadoras criticaram que esta “maneira liberal” se tratava, como alguns afirmaram, de “lavagem cerebral para os nossos filhos.” Em todo o caso, os tópicos de comentários sobre essas histórias, como os tópicos de comentários em cada história, a grande mídia tem relatado quanto aos quadrinhos (exemplos: assassinato do Capitão América, troca de roupa da Mulher-Maravilha, o Super- Homem renovado), estavam carregados de falsas suposições de leitores de notícias casuais que nunca, ou pelo menos não nos últimos 30 anos, leram uma boa história em quadrinhos (assim como os relatórios dessas histórias).

Então, o que se segue são algumas tentativas de corrigir certos pressupostos gerais falsos que os não-fãs de HQs fazem sobre HQs e os multiversos quadrinhescos em geral.

1. As crianças compõem a maior parte da platéia das HQs [FALSO]            

                                           

Aqueles que se preocupam que a indústria quadrinhesca tenha um plano nefasto para fazer lavagem cerebral em crianças com o intento de transformá-las em propensos “hippies liberais” ou “vagabundos”, não preciso dizer para esquecer tal bobagem, porque os menores de 18 anos constituem um canto muito pequeno de leitores de quadrinhos (que observo um certo crescimento, mas ainda regular). Embora as estatísticas reais retiradas de pesquisas sobre o assunto não são um poço profundo, a maioria dos dados de qualquer pesquisa desta espécie apontam que a maioria dos leitores de HQs se encontram com meados de vinte e tantos anos; 28 surge como o “leitor médio” em muitas fontes, mas os argumentos poderiam ser facilmente feito para os de trinta e poucos anos estar mais perto da verdade. Independentemente disso, os menores de 16 anos não se enquadram nem mesmo numa fração notável da base de leitores de quadrinhos. Vá em qualquer loja especializada de HQs nos EUA e em nossa maiores capitais (por motivo de serem quase inexistentes em outras localidades desse Brasil, triste realidade) que provavelmente você vai encontrar leitores de 20, 30, 40 e 50 anos de idade espalhados. Há uma série de razões para isso, algumas boas outras ruins:

  • Positivamente, isso significa que os editores de quadrinhos têm conseguido manter uma certa audiência sobre uma porção de tempo ou, pelo menos, capaz de atrair “clientes de retorno” para começar a seguir as aventuras de personagens em um meio que provavelmente encontrou pela primeira vez na adolescência. Além disso, por causa disto as sagas quadrinhescas tiveram por objetivo contar histórias que os leitores mais velhos querem ler, assim escritores, até mesmo do “gênero” juvenil, de quadrinhos, muitas vezes encontram maneiras mais maduras, pensativas, ou pelo menos adultas  de deixar suas histórias mais emocionantes;
  • Negativamente, a razão pela qual mais crianças não estão lendo é porque os quadrinhos são vendidos através de um sistema direto de mercado: editoras de quadrinhos vendem através de um distribuidor de terceiros,  que vedem seus produtos para lojas de quadrinhos, que vendem os quadrinhos para os leitores. Este tem sido o principal modelo desde os anos 80, e cada vez mais a loja local de quadrinhos (com a concorrência mais recente de opções diretas de mercados online, mas ainda pouco explorado aqui por terras brasileiras e ainda mais pelo público infanto-juvenil) tornou-se o único lugar para comprar a maioria dos títulos em quadrinhos.

Lembram-se dos suportes giratórios em livrarias, supermercados, postos de gasolina, etc? Quando foi a última vez que viu um desses? A maioria das lojas locais não especializadas em quadrinhos não vendem mais quadrinhos e a menos que os pais ou antecessores familiares fossem leitores, a maioria não vai levar os filhos à loja para inicia-los nos multiversos quadrinhecos e se o fizerem, provavelmente vai perceber que muitos desses lugares não são exatamente comuns para uma plateia infanto-juvenil menor de 16 anos de idade.

2. Quadrinhos são apenas sobre super-heróis [FALSO]    

GalleryChar_1900x900_thesandman00_52aba1d8708f09.21265943                                                                 

Filmes baseados em histórias em quadrinhos certamente mostram que super-heróis são, sem sombra de dúvidas, as estrelas dos quadrinhos Thor, Batman, Homem de Ferro, etc. No entanto, alguns grandes filmes que não tratam sobre super-heróis foram também baseados nas HQs como: V de Vingança, Ghost World, Persepolis, Estrada para Perdição, apenas para citar alguns. Mas, de certo, que os heróis são o foco principal da maioria das HQs que forram as prateleiras de qualquer loja especializada em quadrinhos e suas façanhas heroicas tomam quase a totalidade do “mainstream” quadrinhesco.No entanto, ao arranhar um pouco abaixo da superfície você encontrará uma certa dose de criatividade e riqueza de variedade. Um grande exemplo são as HQs do selo, publicado pela DC, Vertigo, que distribui assunto de ponta e partilha dos novos talentos com o poder e o apoio de uma empresa convencional. O selo Vertigo nos concedeu alguns dos melhores e mais inovadores trabalhos na história dos quadrinhos: o premiado épico high-brow literário de The Sandman, o neo-noir impecavelmente traçado implorando-para-um-adaptação da HBO 100 Bullets, o distópico questionamento sexual de ação aventura Y – O Último Homem, o prestigiado e desafiador Northlanders com sua mitologia religiosa (Nórdica), e os atuais, mas nem por isso deixando de serem clássicos, Scalped e The Unwritten para citar apenas alguns. Artistas e escritores que passaram a grande aclamação e excelência criativa nos quadrinhos, cinema e literatura, tais como Neil Gaiman, Warren Ellis, Alan Moore e Brian Azarello contribuiram todos no trabalho precoce do selo Vertigo. Depois, há a miríade de títulos assinados por vários editores independentes que podem ser de natureza atenciosa, desafiadora, desde complicados envolvimentos românticos (Strangers in Paradise) ou até tendendo para fantasmas, assassinatos e mistérios (Locke and Key), ou ainda que se concentram em jovem tentativas de crescscimento artístico e tendem a adentrar nos mais próprios patamares  do detalhamento das cenas geográficas, nos minuciosos detalhes e de requintada perícia em descrever cada cidade ao longo do caminho.

3. “Verdadeiros” escritores não escrevem HQs [FALSO]  

Neil Gaiman e Alan Moore
Neil Gaiman e Alan Moore [sempre estiloso]
                                                                         

Definir “verdadeiro escritor”, pelo menos para mim, cai no descrédito. Independentemente disso, você tem escribas quadrinhescos que ganham supremos elogios no meio e vão fazer o mesmo com romances, contos e roteiros (Neil Gaiman), você tem roteiristas e escritores que tentam os meios quadrinhescos e conseguem grandes resultados (Joe Hill , Brad Meltzer, Joss Whedon). Então você tem grandes escritores do passado e do presente, que apenas sabem como contar uma grande história e encontraram o melhor meio de fazê-lo nos quadrinhos, independentes ou mainstream (Geoff Johns, Grant Morrison, Gail Simone, Will Eisner, Art Spiegelman ,etc.)

4. HQs são essas coisas no jornal [FALSO]                    

foto-tirinhas-do-garfield-03                                                             

Portanto, não se tratam de HQs em seu formato original. Seu objetivo principal é obter essas pessoas diferentes que lêem todas as variedades de quadrinhos nos parques, bares, metrôs, etc lê-los na frente do público em geral para deixar as massas que não sabem ou que não estão acostumadas a entender uma idéia melhor da variedade inerente tanto neles e em sua base de fãs. Não se tratando da mesma coisa, mas faz uso daqueles métodos parecidos com a narrativa gráfica, mas trata-se de algo muito mais primitivo. Algumas tiras e certos criadores que produzem aquelas faixas que se destacaram no meio fazem dessa uma forma de arte “primitiva” clássica, duradoura e alfabetizada (Peanuts, Doonesubury, etc), mas a parte “engraçada” não é a mesma coisa que o romance gráfico. Oh, bobagem e como o circulo do gênero e até mesmo o lado profundamente engraçado agora não são tiras de quadrinhos mesmo um painel único, sem movimento é a sua própria forma de arte.

5. HQs são um meio derivado [FALSO]          

                                                                                               

Contar histórias com imagens através do meio quadrinhesco é uma tomada artística como nenhum outro, pois eles não são “livros ilustrados” e a história que você lê em um livro ou assistir na telona dos cinemas não podem fazer as coisas exatas que uma história em quadrinhos é capaz. Tanto que estes outros meios podem contar histórias, de uma forma igualmente boa (ou tão ruim), como uma história em quadrinhos, eles apenas não podem contar a história da maneira exata que uma história em quadrinhos pode. O Filme, mais do que qualquer outro mei, é o que mais se aproxima na medida em que também conta uma história com palavras e imagens, mas os quadrinhos são como filmes sem orçamento e sem outra limitação para a imaginação do autor e artista. Scott McCloud escreveu uma maravilhosa graphic novel de não-ficção (Understanding Comics) que explora esta questão de que os quadrinhos são feitos e como eles funcionam como um meio. Ele leva de forma brilhante os leitores através das ferramentas que os contadores de histórias gráficas têm à sua disposição. Nem todos os quadrinhos empregam todas essas ferramentas, mas os melhores fazem com genialidade sem igual; quadrinhos se tratam de como fazer as imagens mover-se em sua mente, e muitas vezes a ação que ocorre entre os painéis. Eles nos aproximam da relação entre o escritor e o artista, encontrado em grandes parcerias, quando as cenas que um escritor idealiza são trazidos à vida, emolduradas e detalhadas para uma audiência. Quadrinhos podem trabalhar de maneira fluida e rápida ou lentamente, atento ao pormenor, ou mesmo um vai-e-vem entre os dois. Podem dizer-lhe toda uma história ou fazer você esperar. Eles podem direcionar onde você coloca os seus olhos eo que você vê lá. Eles podem fazer mais do que qualquer outro meio visual quando eles são realmente produzidos por artistas no topo de seu jogo.

6. Todos leitores de HQs parecem e agem como o “Comicbook Store Guy” dos Simpsons [FALSO]      

comic-book-guy Nós não!!! Bem, pelo menos não todos. (HEHEHE)

7. HQs são baratas e descartáveis enquanto COMICs são coleções valiosas [FALSO]                                  

Cole_o_Graphic_Novel_Salvat
quem não queria essa coleção completa!? O.O

     

Ambos os sentimentos, aparentemente opostos, estão em sua totalidade errados quando eles muito se afastam para qualquer extremo. As possibilidades são a maioria dos quadrinhos novos que você compra nas prateleiras este ano não vai valer o mesmo preço de capa em alguns meses. Entretanto a situação se agrava para nossa realidade nacional onde não temos recursos ou mesmo maiores contatos com determinadas distribuidoras externas dependendo das editoras nacionais e esperando altos preços.Mas já encontrei muitas lojas que oferecem descontos para assinantes e opções on-line você pode economizar uma tonelada de dinheiro, mas se você quiser a experiência (como a minoria faz) de ir até a loja para pegar seus novos títulos, para lê-los, como eles saem em parcelas, esperando para ver o que vai acontecer, e conversar sobre eles dentro desse círculo seleto de consumidores, você está indo gastar “alguns” dólares para fazê-lo e ainda se você não planeja mantê-los para reler, e desfrutar mais tarde, então você está pagando para um uso “one-time” de cada um dos quadrinhos que mesmo quando lido com cuidado e corretamente irá tomar todas de 15 minutos por revista apenas concluo que VOCÊ TEM MUITO DINHEIRO PARA ESBANJAR dessa maneira.Por outro lado, uma boa maneira de nos entregarmos ao nosso prazer quadrinhesco “barato e descartável “, está no mercado maciço de alta qualidade de comércios e coleções, sendo por selos menores (novamente o caso da Vertigo) ou não. Quer uma capa de couro, costurada e completa de suas séries favoritas em um formato grande, com cópia remasterizada a partir dos anos 50 ou mesmo no ano passado?

Provavelmente, você pode encontrá-lo (mesmo que seja muito difícil), ele ficará muito bem em sua prateleira, que irá realizar-se como muitas leituras como você deseja, e ele vai funcionar como um grande empréstimo para amigos que compartilham do seu hobby, mas espere por pagar um preço justo pela sua aquisição. Não quer pagar para as prestações mensais do seu título e não está preocupado com a permanecia no círculo do diálogo e da especulação sobre as parcelas mensais? Então mantenha uma a calma e espere, você pode encontrar uma coleção de bolso barata e completa de qualquer título que deseja que irá entregar a história apenas como divertida, mas por uma fração do custo total.

8. HQs são miógenas ou sexistas [FALSO]

2rfbgbc
mas que belo par de… ARMAS… EU disse ARMAS, não P…

Este muitas vezes vem mesmo de dentro da base de fãs, geralmente a partir de leitores que se consideram conhecedores de todos os aspectos quadrinhescos (liberais, alternativos, “artísticos”, etc) funcionando como uma forma cansativa do “defender-se” para o público não-leitor de HQs e ao fazê-lo admiti que a corrente quadrinhos são sexistas, mas eles não são fãs desse tipo de quadrinhos. Há grandes histórias em quadrinhos de todo, passado e presente; alguns mainstream, alguns alternativos, certos Sci-fi’s, algum escapismo puro e bobo e entre tantos outras vertentes. Se você só gosta de “liberais” ou os títulos com um mote “respeitável”, tudo bem. Mas não condenem a maioria dos títulos como “sexista” e muito menos “misógino” só porque eles não são a sua base de preferência.Primeiro, misógino é uma palavra forte implicando a degradação, a violência contra as mulheres, e um ethos de clube machista de superioridade sobre o outro sexo. Eu não acho isso em HQs, nem no mais mainstream, como qualquer base sustentável de argumentação.Então vamos com “sexista”. Esta afirmação é desenhada basicamente a partir da obra de arte que descreve desenhos coloridos de mulheres com “exagerada” formas femininas, roupas apertadas (ou menos), aquilo certamente mais comum no gênero super-herói.Portanto, se a alegação é que isto só os torna sexista ou degradante, suponho que não há muito o que argumentar para contrariar isso. Mas trata-se de uma hipótese falsa dada à análise feita superficialmente, pois tudo nos quadrinhos de super-herói é desenhado em formas exageradas; certeza que a maioria das mulheres não se olham ou se vestem como Mulher-Maravilha, mas que a maioria dos homens olham ou se vestem como o Superman? Dificilmente. Suas formas físicas são em grande parte inacessível para ambos os sexos isto porque os quadrinhos de super-heróis são pura fantasia. Tratando-se apenas de uma parcela de ficção, nada além, mas que no entanto cria uma atmosfera suscetível ao preconceito e extremismos, exemplo claro e latente foi a modificações de certas origens e enredos de personagens que tendiam ao homossexualismo. Particularmente sou contra a tal modificação, pois se trata de algo brusco e completamente fora do comum (no que concerne a trama da narrativa) para os leitores que acompanhavam a sequência dramática da trama de uma forma diferente. Mas se pensarmos num plano mais global, sou a favor de uma mudança dos pontos de vistas menos acurados sobre as HQs, derrubando qualquer tabú quanto ao gênero ou preconceitos.

Em todo caso, espero que tenham apreciado esta explanação de variados fatores sobre os multiversos quadrinhescos e sua repercussão entre os fãs e não-fãs de HQs.
Mandem suas opiniões a respeito também, serão bem vindas.

Até a próxima!!!

 

 

What's Your Reaction?
OMG OMG
0
OMG
LOL LOL
0
LOL
Cute Cute
0
Cute
Raiva Raiva
0
Raiva
Nerd Nerd
0
Nerd
Amei Amei
4
Amei
WTF WTF
0
WTF
Win Win
0
Win
Fail Fail
0
Fail

Deixe uma resposta

8 FALSAS PREMISSAS QUE NÃO LEITORES DE HQs PENSAM!!!

log in

reset password

Back to
log in

Hey there!

Sign in

Forgot password?
Close
of

Processing files…